DANÇA

A Cia de Ballet Dalal Achcar recebe o coreógrafo Alex Neoral para uma montagem inédita e atemporal, com produção da Aventura e figurino de João Pimenta: “TAL VEZ” – estreia no dia 8 de abril, no Teatro Riachuelo Rio

Compartilhe

Um encontro marcado por duas gerações distintas que se complementam, com a proposta de trazer à tona memórias afetivas, interpretadas por 18 bailarinos

A convite de Dalal AchcarAlex Neoral será o responsável pela coreografia de “Tal Vez”, especialmente criada para a Cia de Ballet Dalal Achcar. O espetáculo,apresentado pelo Instituto Cultural Vale, com produção da Aventura, é composto por uma cia de ballet extremamente preparada, com 18 excelentes bailarinos de ponta e reúne a nata da dança jovem no Rio de Janeiro, treinados pelo maitre de ballet e coreógrafo Eric Frederic. O público verá, em um ato, uma produção inédita com dança contemporânea e técnica clássica, sobre a trilha sonora especialmente selecionada por Neoral, que traz a tona memórias afetivas – lembranças, ambiências, arrepios, dramas e acolhimento – inspiradas por canções universais e inesquecíveis que embalam romantismo e bom humor.

Com figurinos de João Pimenta (Romeu & Julieta ao som de Marisa Monte), cenário de Natalia Lana (A Cor Púrpura), ambos premiadíssimos, e canções inspiradas em trilhas de filmes de cineastas como o espanhol Pedro Almodóvar, o italiano Ettore Scola e o americano Woody Allen, o espetáculo acontecerá em 8 apresentações, entre 8 e 17 de abril no Teatro Riachuelo Rio. A Cia de Ballet Dalal Achcar e o Teatro Riachuelo Rio são patrocinados pelo Instituto Cultural Vale, através da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

“TAL VEZ”, jogo de palavras que brinca com ‘talvez’ e ‘aquela vez’, dá nome à produção com coreografias baseadas em encontros marcados que geram desencontros e mostram como esses momentos da vida podem resultar em novas experiências. Além do conceito, as cenas serão compostas também pelo movimento de desconstrução dos figurinos em camadas ao longo do espetáculo.

Com a parceria, Dalal tem o objetivo de trazer frescor e um ar mais plural para o mercado do ballet no Brasil. Ela ressalta ainda a importância do intercâmbio entre as companhias, muito comum na Europa. “É importante para firmar a força da dança. O coreógrafo precisa ser conhecido além da própria companhia. O processo de criação é uma troca. Venho acompanhando o trabalho do Alex na Focus há algum tempo e queremos renovar com um espetáculo muito dançante”, pontua Dalal Achcar.

Sobre a missão de coreografar para uma outra cia, Alex complementa: “Há muitos desafios em criar para um grupo que não seja o seu. Temos a questão de um tempo não muito longo para a criação, a diferença de estilos, técnicas usadas e o momento em que vou conhecendo as possibilidades dos artistas. Porém, a Cia se mostra muito aberta, interessada e disponível para novas linguagens”.

Dalal é considerada a maior difusora e propagadora do balé clássico no Brasil. Levar o balé para o povo é um dos grandes prazeres da coreógrafa, que trouxe Margot Fonteyn e Rudolf Nureyev ao palco do Maracanãzinho em 1967. “Quando eu fazia galas, havia espetáculos para o povo no dia seguinte. No Teatro Municipal, durante a minha gestão, milhares de professores e estudantes da rede pública assistiram a concertos, dança e ópera. Esporte, música, dança, teatro e artes deveriam ser ensinados na escola. Acho fundamental complementar a educação com a arte e cultura”, conta DalalAchcar.

Alex tem seus trabalhos facilmente reconhecidos por um bom gosto musical, sofisticado, eclético e, principalmente, por tocar o público. Não será diferente em “Tal Vez”. Há uma mistura musical que vai de composições extremamente passionais a outras mais bem humoradas, músicas instrumentais, com letras em espanhol, inglês e português, mais especificamente um fado, por exemplo. “Me permiti esse leque amplo pois o trabalho se passa em um baile imaginário onde personagens se dirigem a esse lugar em busca de um encontro, que não acontece.Mas a partir daí relações surgem entre esses próprios personagens”, finaliza Alex.